Pesquisar este blog

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Cabeleira

Miguel Sanches Neto Escritor e filho de Coração da nossa Peabiru.

Meu pai, ainda chorando, me disse vá e corte o cabelo. Tentei ficar com ele mais algum tempo, embora continuas­se repetindo vá e corte o cabelo. Mesmo de olho fechado ou arrumando as flores do caixão ou trocando as velas gastas ou comendo pão com carne moída e tomando café frio ele só repetia vá e corte o cabelo. Durante a noite toda eu ouvi esta ordem sem poder cumpri-la. Tive que esperar o dia nascer para encontrar alguém que estivesse disposto a tosar meus cabelos loiros e encaracolados que desciam até perto da cintura. O pai dizia que meu cabelo tinha o tamanho do sofrimento da mãe e que era hora de cortá-lo bem curto. O mais curto possível. Acredito que ele queria que eu rapasse a cabeça, não deixando nenhum vestígio desta obscena cabeleira, como dizia minha avó.

Eu também queria acabar com ela, pois todo mundo se divertia com meu aspecto. Os poucos amigos me chamavam de maricas e isto fere muito a gente. Papai tinha consciência de que eu estava sofrendo por algo que não era responsabilidade de ninguém e ficava triste.

Foi então que ele me disse, enxugando as lágrimas com as fraldas da camisa, vá e corte o cabelo bem baixinho, meu filho. E eu esperei até amanhecer, porque não havia ninguém que pudesse cortá-lo. Mas o pai não compreendia esta diferen­ça entre dia e noite, só desejava que eu cortasse o cabelo e então dizia, entre bravo e desanimado, vá e corte, e eu não po­dendo, por algum tempo, fazer aquilo que mais dese­já­vamos.­

Quando mamãe ainda tinha forças, eu me sentava em sua cama e ela, recostada em almofadas, me penteava. Nessas horas, era bom ter tão vasta cabeleira que necessitava de cuidados e carinhos. A mãe, de certa maneira, se sentia culpada pela deformação de meus traços masculinos. Eu nunca tinha ido à escola, mesmo já tendo doze anos, para não ser motivo de gracinhas. Uma prima mais velha me ensinou a ler e escrever em casa. Mesmo assim, sempre havia alguém para importunar.

Foi então que o pai disse vá, menino, e corte essa porcaria que não resolveu nada. Enquanto o dia não clarea­va, tive que ouvir a mesma ordem, como um disco que repete uma única faixa. Quando as pessoas vinham lhe dar os pêsames ou perguntar sobre os preparativos para o enterro ou se informar sobre a localização do banheiro ou pedir maiores detalhes sobre a morte ou exigir que se consolasse, o pai apenas repetia, mesmo que eu não estivesse por perto, vá e corte, ou, esse cabelo é o sofrimento dela e você não tem o direito de me fazer lembrar de tudo novamente, ou, vá, corte este emaranhado de dias e dores.

O pai não entendia que para mim os cabelos longos tinham um duplo sentido — recordavam os sofrimentos mas também o carinho de mamãe. Eu queria cortar, apesar de não sentir raiva deles — apenas vergonha.

Foi então que o pai, com a boca cheia de pão, me disse vá e corte essa merda. Ao dizer estas palavras, notei que estava com vontade de arrancar meus cabelos com as mãos. Saí de perto e fiquei ouvindo a mesma frase até que o dia amanheceu e eu enfim pude cortar o cabelo.

Minha mãe só teve um filho e, quatro anos após meu nascimento, ficou muito doente, desenganada pelos médicos. Tentaram de tudo e por fim recorreram à fé. Papai fez uma promessa a não sei que santo: meu cabelo não seria cortado até que ela sarasse. Era uma maneira de sacrificar o filho, como nas sagradas escrituras — me disseram.

Foi por isso que meu pai, quando mamãe morreu, oito anos depois da promessa, me disse vá e corte o cabelo, agora não precisamos mais de seu sacrifício. O pai não sabia dizer outra coisa, somente a mesma ordem que eu não podia obedecer, pois era noite, e ele, sem entender, ficava remoendo aquele estribilho levemente alterado.

Não se importou comigo, não me fez nenhum carinho enquanto estive no velório. Acho que queria se afastar de mim. Pra ele, eu era a assombração de mamãe. Por isso dizia vá e corte, tentando fazer com que eu desaparecesse de sua frente.­

Quando o sol nasceu e o comércio abriu, fui ao centro de Peabiru, passando sobre a imensa valeta que cruza a avenida principal. Entrei no pequeno salão e me sentei na cadeira. O barbeiro trabalhou com rapidez, enquanto eu olhava os cachos pelo chão. Resolvi pegar um e pôr no bolso (é aquele que guardo na caixinha, dentro da gaveta da cômoda). O resto podia ser jogado fora.

Descobri, através do espelho, uma outra pessoa que se escondia sob minha cabeleira.

Na volta, vim caminhando de uma forma diferente e até cheguei a assobiar uma música da moda, como se eu, transformado e desconhecido, não tivesse nada a ver com o que estava acontecendo.

Foi então que, me vendo de cabelo curto, meu pai me abraçou e me beijou, dizendo que bom que você veio. E, sentados diante do caixão, ficamos olhando para mamãe, também ela sem seus lindos cabelos, caídos depois do tratamento.

Miguel Sanches Neto

Filho de coração da nossa Peabiru

Peabiru no Rumo Certo Agradece a Você Miguel Sanches um dos escritores mais respeitados do Brasil e colunista da Gazeta do Povo (Curitiba) por fazer parte deste Blog valeu.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Fim de Ano com novas Obras em Peabiru

Ao contrario de outras cidades lutando para reorganizar sua folha de pagamento, orçamento para 2012, obras paradas ou apenas descansando neste fim de ano, a administração municipal de Peabiru vem na contra mão, fornecedores e funcionários com os pagamentos em dia, contratação de novos funcionários que passaram no concurso, e ainda muitas ruas sendo recapadas (lama asfaltica) e a instalações da nova iluminação que seria parte da AV. Raposo Tavares e a AV. Vila rica já tem novidades o Prefeito João Carlos Klein irá tentar colocar também em partes da AV. São João.

PEABIRU, QUE SAUDADE

Ah que saudade da nossa pequena e querida Peabiru de alguns anos atrás, onde havia uma perspectiva de qualidade de vida para todos. Uma cidade onde os mais velhos tinham a preocupação apenas de dar boa formação aos mais jovens, a sociedade imbuída de bem-estar para todos. Pequena cidade do interior do Estado do Paraná, onde não se reclamava por falta de conforto, pois todos com um pouco mais ou um pouco menos se vivia bem, com alegria e esperança de crescimento que os jovens almejavam. Tínhamos como característica na nossa formação a arte do bem viver. Que saudades; trabalhávamos durante a semana nos mais diferentes serviços: uns vendiam sorvetes, doces, biscoitos na rodoviária, outros trabalhavam no comércio, na roça, servente pedreiro, etc. aos sábados à noite íamos à Igreja, encontro de jovens, depois íamos para o baile e no domingo jogar futebol, cada terreno vazio era um campinho de futebol, quem não se lembra do campo da saudosa trave azul, onde realizávamos grandes torneios na parte da manhã e na parte da tarde, vários times partiam da cidade nas carrocerias de caminhão para jogar futebol nas fazendas, onde havia inúmeras famílias que formavam grandes colônias de povos trabalhadores na lavoura que ansiosos esperavam a chegada de times da cidade para os confrontos futebolísticos, e o último compromisso do final de semana era ir ao cinema – Cine Vera – que saudades, e o mais importantes sem deixar de lados nossos estudos sob a responsabilidade dos “PROFESSORES” que contribuíram para a nossa formação acadêmica e jamais serão esquecidos, e a partir deles quantos jovens peabiruenses se tornaram profissionais das mais diferentes áreas, profissionais de nível superior, mestres, doutores, professores universitários, nem todos ficaram ricos (financeiramente), mas herdeiros de uma conduta moral e ética que ficará como legado para nossos descendentes.

Que saudade Peabiru.

Prof. Dr. José Carlos Paraguaio

sábado, 24 de dezembro de 2011

2011

O Prefeito João Carlos Klein fez um pequeno resumo de 2011 foi uno difícil, mas conseguimos reverter com varias obras, Peabiru reabriu o antigo Hospital e ali instalando o UBS (Unidade Básica de Saúde), Recapamos mais 30 quadras com lama asfáltica que estavam em um estado muito precário, estamos encaminhado para os finalmente a construção da Super Creche, inauguramos a biblioteca cidadã, reservatório de água 100 mil litros próximo ao estádio, instalamos em nossa cidade a internet gratis (sem mensalidade) para todos que estão com seus impostos em dia, e ao redor da praça central com sistema wireless para todos poderem acessar gratuitamente com notebook, celulares, net book e outros aparelhos que esteja adequado para este sistema, o sinal da rede é liberado com o nome Vippeabiru1 e 2 o login é peabiru e a senha é peabiru.

Entregamos também a escritura de um terreno ao Presidente do Tribunal de Justiça para a construção do novo fórum e mais um terreno para Presidente do Tribunal Eleitoral para a construção do Fórum eleitoral que esperamos que esperamos que seja construído em 2012 para melhor atender a nossa população.

Conseguimos realizar todo o calendário festivo e esportivo de nossa cidade Campeonato de salão, Futebol de Campo, Campeonato Amador, sediamos uma Etapa dos Jogos Escolares do PR, na páscoa distribuímos chocolate para as Crianças das Escolas Municipais, Carneiro ao Vinho tivemos Milionário e José Rico cantando para nós um Show que lotou nossa Praça, Comemoramos o Sete de Setembro com um desfile cívico com todas as escolas e entidades e atualmente comemoramos os 59 anos de Peabiru com a Dupla Cleber e Fernando e um lindo Show Pirotécnico .

Entraremos 2012 com todas contas em dia todos nosso fornecedores e funcionários receberão em dia a segunda parte do décimo terceiro foi paga no dia 12 de Dezembro então nossos compromissos foram todos corretamente em dia.

Já estamos com o Plano Local de Habitação de Interesse Social (PLHIS) feito e cadastrado no Ministério das Cidades era uma exigência do governo federal e ministério publica.

Atualmente estamos fazendo Lama Asfáltica em mais doze quadras e fazendo nova iluminação nas AV. Vila Rica e Raposo Tavares tivemos nossos super postes rebaixados e agora colocaremos poste com luminárias de 3,5 mt e para o próximo ano estaremos preparando algumas novidade para toda a população.

Gostaria de aproveitar este espaço para desejar a todos um Feliz Natal e um Prospero ano novo a todos e garantir que estaremos trabalhando muito mais em 2012 para trazer melhorias para nossa cidade.

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

PEABIRUENSE ELEITO PARA O CONSELHO NACIONAL DA JUVENTUDE

Wanderley Mafra, ao centro de camiseta branca e vermelha, em Brasília. O peabiruense e Professor de Artes, Wanderley Mafra esteve representando o Estado do Paraná na CONJUVE - Conferência Nacional da Juventude, em Brasília, de 09 a 12 de dezembro de 2011. Nos debates, Wanderley Mafra foi eleito para integrar o CONJUVE - Conselho Nacional da Juventude, que reúne representantes jovens e líderes do Brasil inteiro. “A Conferência foi uma experiência gratificante, tive o contato com diversas culturas, diversas gentes. Discutimos sobre as Politicas Públicas para a juventude com ênfase na Cultura e na Arte. Tal discussão foi no olho do furacão de onde emanam estas políticas a juventude e ao país. Agora torço para que as propostas, os resultados das discussões cheguem aos munícipios pequenos do Brasil, como a minha cidade de Peabiru, por exemplo.”

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Peabiru 59 anos

Nada melhor que do que comemorar um aniversário com amigos e familiares e nos 59 anos de Peabiru foi assim à população compareceu na praça central e dupla Peabiruense Cleber e Fernando fizeram um ótimo show e logo depois Prefeito agradeceu e cantou os Parabéns para o município com lindo show pirotécnico, ele que já esta completando três mandatos e mais dois anos como Prefeito (assumiu dois anos quando foi vice do Ex- Prefeito Nelson Proensa).

Presentes par cidade, o Prefeito foi um dos maiores construtores de obras na cidade junto com o nosso saudoso já em lembranças Jorge da Silva Pinto, assim para este fim de ano varias ruas estão sendo recapadas com recursos próprios e também a área central vai receber nova iluminação rebaixada.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

ESCOLA DARCI RIBEIRO REALIZA MOSTRA MUSICAL

Equipe da Escola Darci Ribeiro
Professora Bruna Kely e Coral
Música é a manifestação da arte sensível e uma combinação de sons e silêncio. Para tal são utilizados os princípios fundamentais da melodia, harmonia e ritmo. De acordo com a Lei Nº 11. 769 de 18 de Agosto de 2008, a música deve ser conteúdo obrigatório em toda a Educação Básica. “O objetivo não é formar músicos, mas desenvolver a criatividade, a sensibilidade e a integração dos alunos.” Considerando a importância da Música no desenvolvimento dos educandos, a Escola Municipal Darci Ribeiro desenvolveu ao longo deste ano letivo, um projeto intitulado “Musicalização na Escola”, encabeçado pela professora Bruna Kely de Jesus. As atividades com música ocorreram nas aulas de Arte e também em período de Contraturno. Desse trabalho nasceu o Coral da I Mostra Musical da Escola Municipal Darci Ribeiro. O evento contou com a apresentação das músicas: Tumbae, Côro Cobra, Garota de Ipanema, Terra Bailarina, Escravos de Jô, Whatever, Oh Happy Day e Glória

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Jovem Agricultor Aprendiz

O Prefeito João Carlos Klein esteve nesta quarta feira na formatura do Jovem agricultor aprendiz no Centro de Eventos após houve um delicioso jantar no Salão Paroquial.

O Programa Jovem Agricultor Aprendiz do SENAR-PR visa atender a necessidade de levar os jovens de 14 a 17 anos do meio rural informações que fazem um resgate dos valores e da importância do setor agropecuário, essencial para toda a população.

São trabalhados dentre os principais temas, gestão do agronegócio, noções de agricultura, pecuária, saúde e gestão pessoal, tornando-os mais conscientes de suas oportunidades no campo, qualificando-os profissionalmente, despertando sua visão empresarial e capacidade empreendedora. É realizado um trabalho de orientação vocacional, onde após conhecerem algumas áreas como: Agronomia, Medicina veterinária, Zootecnia, Administração, Biologia, enfermagem, técnico Agrícola o que contribui consideravelmente para definir futuras profissões. Na realização do curso foram abordados assuntos como: Administração rural, formação do solo, erosão, lavouras, reserva legal, mata ciliar, legislação ambiental, pragas, doenças, plantas daninhas, agrotóxicos e agricultura, totalizando uma carga horária de 144 horas.

Este Programa é possibilitado através das parcerias entre SENAR-Pr, Sindicato Rural e O Município de Peabiru – Paraná.

O SENAR-Pr, participa com o instrutor e todo o material didático utilizado no decorrer do curso.

O Sindicato Rural com a mobilização dentre outras estruturas.

O Municio de Peabiru através da Secretaria Municipal de Educação no fornecimento da alimentação, transportes, condução dos alunos para diversas visitações técnicas e espaço físico equipado com o material solicitado e toda organização do evento.

Vale ressaltar que não paramos por aqui, pois existe uma continuidade após a conclusão do JAA que são os módulos específicos, que vamos lutar contando mais uma vez com parcerias de sucesso que estabelecemos para que possamos trazer aos nossos jovens que merecem toda nossa atenção e consideração.

FORMANDOS

Envie para o nosso e-mail

LOCALIZAÇÃO DE PEABIRU

E-MAIL PARA CONTATOS.

peabirunorumocerto@hotmail.com

Praça Central

Praça Central

Hino a Peabiru.

Peabiru, Peabiru, Terra amada varonil Peabiru, oh! Minha terra Pedacinho do Brasil. O amor aqui impera E o trabalho nos Conduz A um pedestal de gloria Por um caminho de luz. Liberdade no horizonte No céu um formoso azul Terras férteis. Rios, fontes És uma estrela do sul Peabiru, Peabiru, Terra amada varonil Peabiru oh! Minha terra Pedacinho do Brasil. Teu nome emoção encerra És caminho do sertão És meu berço, minha terra És a minha inspiração. Laboriosa e hospitaleira Destemida e varonil É a gente desta terra Também filhos do Brasil. Peabiru, Peabiru.....