Pesquisar este blog

quarta-feira, 3 de março de 2010

Prefeituras recebem ajuda para formular Plano de Saneamento

A Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental – Seção Paraná (Abes-PR), a Sanepar, o Ministério das Cidades e Secretaria Estadual de Desenvolvimento Urbano (Sedu) anunciaram nesta quarta-feira (3), em Curitiba, ações que poderão ajudar as prefeituras paranaenses na tarefa de formular seus Planos Municipais de Saneamento (PMS). Os 5.546 municípios de todo o Brasil têm até o dia 31 de dezembro deste ano para aprovar os seus Planos junto ao Ministério das Cidades, mas até agora não chega a 1%, em nível nacional, o número de cidades que conseguiram finalizar os trabalhos. O documento é uma exigência da Lei 11.445/07 para que os municípios continuem recebendo repasses de verbas federais destinadas a obras de saneamento básico. Em nível estadual, a Sanepar ofereceu a sua área técnica para prestar consultorias aos municípios. A Abes firmará acordo com o Governo do Estado para capacitar técnicos que possam executar o trabalho, a Sedu vai disponibilizar linhas de financiamento através do Paraná Urbano e o Ministério das Cidades anunciou créditos de R$ 300 milhões dentro do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para a realização dos estudos técnicos de campo. As medidas foram expostas durante o seminário “Saneamento – O Desafio dos Nossos Tempos”, para serem discutidas no menor tempo possível com as gestões municipais. O evento foi promovido pela Abes-PR, com o patrocínio da Sanepar, e reuniu cerca de 300 pessoas, entre engenheiros sanitaristas, prefeitos, dirigentes de companhias de saneamento, professores e estudantes universitários, técnicos da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Urbano (Sedu) e do Ministério das Cidades. Segundo o presidente da Sanepar e da Associação das Empresas de Saneamento Básico Estaduais (Aesbe), Stênio Jacob, o tema escolhido para o seminário não poderia ter sido mais propício para o atual momento do setor, pois será necessário um grande esforço para cumprir as metas de universalizar os serviços de saneamento básico em todo o país, principalmente a partir da perspectiva da Lei de Saneamento. “Tanto em nível de Sanepar quanto de Aesbe, defendemos que o Governo Federal viabilize obras nos municípios com menos de 50 mil habitantes, pois formam a grande maioria dentro do país”, salientou Stênio. Ele lembrou ainda que a Sanepar é destaque nacional ao atingir no Paraná um índice de cobertura de esgoto de 60% e 100% no abastecimento de água, mas que será preciso uma intervenção conjugada de várias esferas governamentais para ajudar os municípios atenderem as exigências legais. “Nesse sentido, a Sanepar já tem disponibilizado orientações a algumas prefeituras e pretendemos estudar como podemos ampliar essa consultoria”. Para Márcio Galvão, diretor de Água e Esgotos da Secretaria de Saneamento Ambiental do Ministério das Cidades, as prefeituras terão que correr contra o tempo se não quiserem ficar sem as verbas federais, mas reconhece que a missão é muito difícil à medida que o PMS exige que haja estudos envolvendo questões de saúde pública, meio ambiente, densidade demográfica, hidrologia, entre outras, o que exige formação de equipes multidisciplinares, com engenheiros sanitaristas, biólogos, sociólogos e outras áreas. “Sabemos que os pequenos municípios não têm como atender a essa exigência técnica e por isso, além dos recursos específicos do PAC para os estudos, estamos apresentando sugestões de como formular o PMS”, relata Galvão, explicando que as prefeituras poderão ter acesso ao kit PMS, que é um conjunto de sugestões de diretrizes e termos de referências que poderão orientar os administradores municipais. O presidente da Aesbe-PR, Edgard Faust Filho, reforça o grau de dificuldade que os municípios enfrentarão, principalmente porque o PMS tem que balizar as ações e os investimentos nos quatro eixos do saneamento básico: abastecimento de água tratada, coleta e tratamento de esgoto, drenagem urbana e gestão dos resíduos sólidos. “Além disso, todas as ações pensadas deverão estar inseridas no contexto das bacias hidrográficas, o que torna ainda mais complexa a elaboração do plano”, explica. “Por isso, prossegue, foi que a Abes achou oportuno puxar a discussão sobre o tema através do seminário e formular algumas sugestões de apoio aos municípios”. FONTE: www.aen.pr.gov.br/modules/galeria/detalhe.php?foto=118379&evento=24056

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu recado.

Envie para o nosso e-mail

LOCALIZAÇÃO DE PEABIRU

E-MAIL PARA CONTATOS.

peabirunorumocerto@hotmail.com

Praça Central

Praça Central

Hino a Peabiru.

Peabiru, Peabiru, Terra amada varonil Peabiru, oh! Minha terra Pedacinho do Brasil. O amor aqui impera E o trabalho nos Conduz A um pedestal de gloria Por um caminho de luz. Liberdade no horizonte No céu um formoso azul Terras férteis. Rios, fontes És uma estrela do sul Peabiru, Peabiru, Terra amada varonil Peabiru oh! Minha terra Pedacinho do Brasil. Teu nome emoção encerra És caminho do sertão És meu berço, minha terra És a minha inspiração. Laboriosa e hospitaleira Destemida e varonil É a gente desta terra Também filhos do Brasil. Peabiru, Peabiru.....